Califórnia terá duas usinas gigantescas de energia solar

Usinas ocuparão 32,4 km² com painéis solares e, em um dia ensolarado, vão gerar 800 megawatts de potência

The New York Times

15 Agosto 2008 | 17h26

Empresas vão construir duas usinas de energia solar na Califórnia que, juntas, vão gerar 12 vezes mais eletricidade que a maior usina desse tipo existente hoje, uma indicação de que a energia solar está atingindo um patamar significativo.   As usinas vão ocupar 32,4 quilômetros quadrados com painéis solares e, em um dia ensolarado, vão gerar 800 megawatts de potência, o equivalente aproximado a uma grande usina termelétrica ou uma pequena usina nuclear. Um megawatt é o suficiente para suprir um grande supermercado.   A energia vai ser vendida para a Pacific Gas & Electric, que está sob mandado do Estado para conseguir 20% de toda energia que consome de fontes renováveis até 2010. A empresa disse esperar que as novas usinas, que vão usar tecnologia fotovoltaica para transformar a luz em eletricidade, sejam competitivas com outras fontes de energia renovável, incluindo turbinas de vento e usinas termais solares, que usam o calor do sol para ferver água.   "Esses projetos pioneiros no mercado são algo que pode ser levado para o mundo todo", disse Jennifer Zerwer, porta-voz da companhia. "É um marco histórico."   Embora as instalações da Califórnia possam produzir 800 megawatts em alguns momentos, quando o sol está forte, elas vão operar menos horas por ano que uma usina nuclear ou de carvão e, então, vão produzir um terço, ou menos, em eletricidade total.   OptiSolar, uma companhia que acabou de começar a fazer um tipo de painel solar feito de uma fina película, vai instalar uma usina de 550 megawatts no condado de San Luis Obispo. SunPower Corp., que usa a tecnologia de cristal siliconado, vai construir a usina de 250 megawatts em um local diferente, no mesmo condado.   A escala é um avanço. Thomas H. Werner, presidente da Sunpower, disse que a usina de 250 megawatts que sua companhia construirá tem tanta capacidade fotovoltaica quanto toda a capacidade instalada no mundo todo, no ano passado.   "Se você vai fazer a diferença, você tem que fazer de maneira grande", disse Randy Goldstein, chefe executivo da OptiSolar. A escala das duas usinas vai "trazer um novo paradigma" para a indústria, disse.   O total de 800 megawatts vai exceder em muito a escala das instalações solares anteriores. A maior dos Estados Unidos produz 14 megawatts e fica em Nevada. A Espanha tem uma usina produtora de 23 megawatts e a Alemanha está construindo uma de 40. Uma usina recentemente construída, que usa espelhos para potencializar a luz do sol, chega aos 64 megawatts.   A energia solar continua sendo muito cara se comparada à eletricidade das termelétricas, mas está avançando muito, impulsionada pelas cotas estatais norte-americanas. A porcentagem de 20% estabelecida pela Califórnia é uma das mais duras, e empresas estão com medo de não conseguir cumprir o prazo do ano de 2010. A Pacific Gas & Electric espera que, quando as usinas estiverem prontas, eles totalizem 24% de energias renováveis, mas isso não acontecerá até 2013.    As companhias dizem ter sido proibidas contratualmente de mencionar os preços das obras, e a porta-voz da Pacific Gas & Electric disse que a companhia estava tentando conseguir o melhor negócio possível para os acionistas, não dizendo o quanto estava disposta a pagar. Mas todas acrescentaram que os custos vão ser muito mais baixos que os das usinas do passado.

Mais conteúdo sobre:
energia solar meio ambiente EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.