Califórnia considera impor taxa de carbono para a indústria

Se aprovada a medida pode levantar milhões de dólares para ajudar o Estado a regular emissões de gases estufa

AP e Reuters,

25 Junho 2009 | 16h51

Reguladores da Califórnia estão considerando um proposta para impor a primeira taxa de carbono para refinarias e outras indústrias poluentes de todo o Estado.

 

Veja também:

link Ásia poderá emitir 40% do CO2 do planeta até 2030

linkUE quer financiamento mundial contra mudança climática

especial Entenda as negociações do novo acordo sobre mudança climática

especialEspecial: Quiz: você tem uma vida sustentável? 

especialEspecial: Evolução das emissões de carbono  

especialEspecial: As ações diárias que salvam o planeta 

especial Expansão econômica vs. sustentabilidade

 

Se aprovada nesta quinta-feira, 25, pela California Air Resources Board, a medida pode levantar milhões de dólares para ajudar o Estado a regular emissões de gases estufa e lutar contra o aquecimento global.

 

A taxa atingiria indústrias que são as maiores emissoras de gases estufa. Uma refinaria típica pagaria cerca de US$ 1,3 milhão por ano, enquanto uma fábrica de cimento gastaria cerca de US$ 200 mil.

 

A medida foi alavancada pelo governador republicano Arnold Schwarzenegger.

 

Grupos industriais dizem que a proposta é injusta pois afeta somente a eles, mas defensores como o Sierra Club dizem que é melhor taxar as indústrias poluentes do que fazer com que os contribuintes paguem a conta.

 

Em todo o país

 

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, pediu nesta quinta-feira, 25, à Câmara dos Representantes que aprove um histórico projeto de lei sobre mudanças climáticas que, segundo ele, criará milhões de empregos.

 

"Não se enganem, esta é uma proposta de empregos", disse Obama nos jardins da Casa Branca em apoio à proposta. Ele acrescentou que o projeto "abrirá a porta para uma nova economia com energia mais limpa... que vai levar à criação de novos negócios e novas indústrias inteiras".

 

Obama disse que a votação, cujos líderes democratas no Congresso esperam que seja aprovada na sexta-feira, será apertada.

 

"Sei que esta será uma votação apertada, em parte devido à falta de informação que sugere que há alguma contradição entre investir em energia limpa e em nosso crescimento econômico", disse Obama.

 

A nova lei pode cortar as emissões de carbono dos EUA em órgãos públicos, indústrias e outros setores em até 17 por cento até 2020, e em 83 por cento até 2050, em relação aos níveis de 2005.

 

A proposta, que estimula o desenvolvimento de alternativas de energia mais limpas, também estabelecerá um sistema de livre mercado permitindo que empresas comprem e vendam licenças de emissão de carbono.

Mais conteúdo sobre:
aquecimento global EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.