Brown diz que acordo sobre mudança climática ainda é possível

Primeiro-ministro britânico disse que tem ideia sobre o que pode ser feito e vai colocá-la em prática

Adrian Croft, Reuters

03 Janeiro 2010 | 17h33

O primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, disse neste domingo acreditar que um acordo global para combater as alterações climáticas pode ainda ser possível, apesar dos resultados limitados da reunião dos líderes de Estado no mês passado em Copenhague.

 

"Eu tenho uma idéia sobre como podemos realmente levar isto em frente ao longo dos próximos meses e eu vou trabalhar nisso", disse à BBC. "Eu acho que não é impossível que o terreno que foi preparado em Copenhague possa levar ao que se possa chamar de um acordo global em que todo mundo esteja feliz em apoiar."

 

"Eu vou estar trabalhando nisso nos próximos meses e consigo ver um caminho a seguir, porque o que impediu um acordo foi a desconfiança, o medo e as formas de protecionismo que eu acho que nós temos que superar", disse ele, sem dar detalhes de seu plano.

 

As negociações em Copenhague terminaram com um acordo mínimo, atingido pelos Estados Unidos, pela China e por outras potências emergentes, que ficou muito aquém do objetivos originais da conferência. Ambientalistas e muitos políticos expressaram decepção com o resultado.

 

O acordo estabeleceu a meta de limitar o aquecimento global a um máximo de 2ºC acima dos níveis pré-industriais, visto como um limiar para mudanças climáticas perigosas, tais como inundações, secas e elevação do nível dos mares. Mas o documento não diz como isso será conseguido.

 

Outra rodada de negociações sobre o clima está prevista para novembro de 2010, no México. Os negociadores esperam realizar na ocasião o que eles não conseguiram alcançar em Copenhague - um novo tratado para substituir o Protocolo de Kyoto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.