Reprodução
Reprodução

Borboletas fêmeas fecham as asas para evitar sexo, diz estudo

Comportamento torna fêmeas menos visíveis para machos; virgens mantêm asas abertas

BBC Brasil, BBC

30 Maio 2011 | 05h00

Uma pesquisa japonesa descobriu que as borboletas fêmeas desenvolveram um mecanismo para evitar o assédio sexual dos machos.

Segundo os pesquisadores, as borboletas têm uma forma simples de evitar a atenção indesejada de machos persistentes - elas fecham suas asas.

Ao fechar suas asas brilhantes e com desenhos chamativos, as fêmeas se tornam menos visíveis para os machos, segundo descrevem os cientistas em um artigo publicado na última edição da revista especializada Ethology.

O coordenador da pesquisa, Jun-Ya Ide, do Instituto de Tecnologia Kurume, em Fukuoka, notou que as borboletas da espécie Lycena phlaeas normalmente fechavam as asas quando outras borboletas da mesma espécie estavam voando muito próximas a elas.

"Eu também descobri que ela fechava as asas com menos frequência quando outras espécies de borboletas estavam voando nas proximidades", disse Ide.

Ele então começou a tentar descobrir por que isso ocorria.

Virgens

Segundo Ide, tentativas persistentes de acasalamento por machos podem machucar as delicadas fêmeas, então ele testou a hipótese de que elas fecham suas asas como uma estratégia para evitar o assédio.

Ele usou um modelo de borboleta macho para gerar a reação nas fêmeas.

"Quando trouxe o modelo de borboleta macho para perto de uma fêmea que já havia copulado, ela normalmente fechava suas asas", disse o pesquisador à BBC.

As fêmeas virgens, por outro lado, mantinham suas asas abertas.

"Concluí então que, quando as fêmeas não necessitam mais copular, elas fecham suas asas para se esconder", disse Ide.

No entanto, as fêmeas virgens, que querem copular, "mantêm suas asas abertas para ficarem visíveis".

"O comportamento evoluiu para evitar o assédio sexual", disse. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.