1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Austrália vai combater praga de camelos no deserto de Outback

Efe

10 Fevereiro 2010 | 10h 15

Animais serão sacrificados para alimentar crocodilos; governo estima que 1 milhão vivem na região desértica

Camelos selvagens que se tornaram pragas na zona desértica do centro da Austrália serão sacrificados para alimentar crocodilos, segundo a rádio australiana "ABC". A empresa Arnhem Meats começará a capturar os camelos de Docker River, uma pequena localidade de 350 habitantes que tinha pedido ajuda às forças de segurança após a invasão dos camelos para fornecê-los às fazendas de crocodilos, explicou Tracker Tilmouth, porta-voz da companhia.

 

Mais de seis mil camelos selvagens estão aterrorizando os habitantes da zona, que fica no famoso deserto de Outback. Segundo cientistas, o número de animais pode dobrar nos dez anos.

 

No final de 2009, as forças de segurança australianas fizeram uma operação para tentar diminuir o problema. Primeiro, atiraram para o ar para afastar os camelos da localidade. Depois, os mataram e abandonaram os cadáveres para que apodrecessem no deserto.

 

Tilmouth explicou que, após o acordo comercial, os restos dos camelos poderão ser utilizados para a fabricação de produtos de cosmética, pois sua gordura pode ser transformada em sebo.

 

O projeto da Arnhem Meats prevê ainda qualificar os aborígines de Docker River para que aprendam a capturar os camelos para a empresa.

 

Os camelos não são originais da Austrália, mas são descendentes dos dromedários, que os colonizadores britânicos levaram em meados do século XIX para ajudar os exploradores a realizar as primeiras travessias pelo deserto de Outback. Estima-se que um milhão de exemplares vivem atualmente na imensa região desértica australiana.

 

A seca da última década e uma recente onda de calor está obrigando os camelos a competir por água e comida com ovelhas e vacas, e leva a algumas manadas desesperadas a invadir zonas habitadas para não morrer de sede.