1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Aumento da pecuária deve ser ecologicamente correto, diz FAO

Reuters

18 Fevereiro 2010 | 14h 22

Organização afirma que alguns países fizeram avanços na redução da poluição e do desmatamento no setor

A pecuária tanto contribui quanto sofre com a mudança climática e deve ser desenvolvida de uma maneira ecologicamente correta, ou vai elevar a pressão sobre o uso de terras, água, ar e sobre a biodiversidade, disse a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO).

 

Veja também:

linkÓrgão de saúde animal estudará impacto da carne em mudanças climáticas

linkPara reduzir emissões, pecuária terá de melhorar pastagens 

 

Nesta quinta-feira, 18, a FAO anunciou que a demanda global por produtos pecuários deve apresentar um forte crescimento até 2050 em meio a aumentos de população, e investimentos substanciais no setor são necessários para ampliar a produção.

 

A pecuária é um dos maiores emissores de gases do efeito estufa e o maior usuário mundial de recursos da terra, com os pastos e as terras usadas para produção de ração respondendo por quase 80% de toda a terra agrícola, disse a FAO.

 

Alguns países fizeram avanços na redução da poluição e do desmatamento ligados à produção pecuária, mas muitos outros precisam adotar políticas apropriadas e mecanismos baseados no mercado, como taxas para uso dos recursos naturais ou pagamentos por serviços ambientais, disse a agência.

 

Investimentos

A pecuária, que contribui com 40% do valor global da produção agropecuária e tem crescido rapidamente, deve se ampliar impulsionada pela demanda em países em desenvolvimento já que a renda das pessoas aumenta e elas se mudam para as cidades, de acordo com a FAO.

 

A produção global anual de carne deve subir para 463 milhões de toneladas até 2050 ante 228 milhões de toneladas agora, disse a FAO em seu relatório anual sobre a Situação da Agricultura e dos Alimentos, que avalia o setor pecuário pela primeira vez desde 1982.

 

O rebanho de bovinos deve subir de 1,5 bilhão de cabeças para 2,6 bilhões, e o de cabras e ovelhas passaria de 1,7 bilhão para 2,7 bilhões, disse a FAO. Isso por sua vez vai ampliar a demanda por grãos para ração em 553 milhões de toneladas no período, o que responderia por cerca de metade do aumento total de demanda, disse a agência.

 

Fortes investimentos e governança são necessários para que a produção pecuária atenda à crescente demanda e garanta a segurança alimentar, a sustentabilidade ambiental e a saúde humana, disse a FAO.

 

"A rápida transição da pecuária está acontecendo em um vácuo institucional. A questão da governança é central", disse o diretor-geral da FAO, Jacques Diouf.