Divulgação
Divulgação

Atração de turistas brasileiros e estrangeiros, baleias franca chegam ao litoral catarinense

Companhia que realiza passeios para observação dos animais registrou 831 passageiros em 2009

Manuel Cunha Pinto, estadao.com

02 Julho 2010 | 21h33

As enseadas de águas quentes e protegidas de predadores naturais, como tubarões e orcas, faz com que litoral de Santa Catarina seja um dos destinos favoritos das baleias franca para dar à luz e amamentar seus filhotes. Essa imensa maternidade molhada começa a funcionar entre junho e julho, quando chegam as primeiras gestantes, e deixa de funcionar em novembro, ao mesmo tempo em que esses animais que podem chegar a 60 toneladas partem para as águas geladas da Antártida para se alimentar.

 

Na última terça-feira (29), a equipe de voluntários do Projeto Baleia Franca (PBF) conseguiu fazer o primeiro registro oficial da espécie nesta temporada ao avistar cinco exemplares na praia de Itapirubá, entre as cidades de Imbituba e Laguna. A diretora do PBF Karina Groch, PhD em Biologia Animal que trabalha no projeto há cerca de 15 anos, espera que aproximadamente 114 baleias franca visitem o litoral catarinense em 2010. A projeção é feita a partir de um estudo que mostra um ciclo de três anos de retorno dos animais, que são catalogados individualmente por fotos que permitem analisar as diferentes calosidades em suas cabeças - são como as nossas digitais, nenhuma é igual à outra. "A foto-identificação permite a nós, pesquisadores, aprofundar os conhecimentos em relação a comportamento, procriação, migração e censagem desta espécie", explica Karina.

 

Atraídas pelas condições acolhedoras catarinenses, as baleias, por sua vez, trazem ao lugar diversos turistas interessados em ficar a poucos metros de distância delas. Às vezes os metros podem se transformar praticamente em centímetros. "A experiência mais incrível da minha vida", define Roberto Gonçalves, de 56 anos, ao relatar a sensação de ver uma baleia curiosa quase encostada ao barco em que estava, com a cabeça fora da água, passando de observada a observadora. Só em 2009, 60 turistas estrangeiros se juntaram a 771 brasileiros no relatório de fluxo turístico de observação de baleias da Associação de Guias Turísticos da Área de Proteção Ambiental (AGTA), uma das duas companhias que fazem o roteiro da espécie na região de Imbituba. Os visitantes internacionais chegam de países como Estados Unidos, Ucrânia, Bélgica, Luxemburgo, País de Gales, entre outros. O guia da AGTA Julio Cesar Vicente diz acreditar que a movimentação turística é positiva, além da questão econômica, como forma de educação. "Visto desta forma, o turismo de observação é um grande instrumento de preservação e conservação".

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.