Aquecimento global pode matar 5 milhões até 2020, aponta estudo

Crianças de países pobres são as mais vulneráveis aos efeitos das mudanças climáticas

EFE

03 Dezembro 2010 | 16h55

Até 2020, o aquecimento global pode matar um total de cinco milhões de pessoas, na maioria crianças, se as autoridades não tomarem medidas para mitigá-lo, assegurou hoje a organização espanhola de investigação humanitária DARA em um relatório.

 

Cerca de 350 mil pessoas perdem a vida atualmente por assuntos relacionados com as mudanças climáticas, e o mundo pode vir a sofrer um milhão de mortes anuais a partir de 2030 se não forem colocadas em prática ações corretivas, afirma o estudo "Monitor da vulnerabilidade climática 2010", de 260 páginas.

 

O documento foi divulgado nesta sexta-feira na Conferência das Partes (COP-16) da ONU sobre o clima, que acontece desde segunda-feira em Cancún, no México.

 

Desenvolvida pela DARA com o apoio do Foro de Vulnerabilidade Climática, organização que reúne líderes de países propensos a sofrer os piores impactos do efeito estufa, a investigação revela que um total de 184 países estão vulneráveis, e aponta os impactos que podem ocorrer a curto prazo.

 

As nações são agrupadas sob os níveis "baixo", "moderado", "alto", "severo" e "agudo" de vulnerabilidade, determinados com base em impactos estimados para a saúde, clima, desastres, perda de áreas de habitação e stress econômico.

 

No grupo de 54 países que têm vulnerabilidade "aguda" se encontram: Afeganistão, Angola, Etiópia, Honduras, Quênia, Índia, Marrocos, Nicarágua, Somália, Paquistão, Coreia do Norte, Nigéria e Vietnam, entre outros, além dos países insulares como as Maldivas, a Micronésia, Papua Nova Guiná e as Ilhas Salomão.

 

Entre os 28 "severos" estão países como as Bahamas, Bolívia, Camarões, Congo, Costa do Marfim, Nepal e África do Sul. Já os países com "alto" grau de fragilidade estão Bulgária, China, Croácia, Cuba, Equador, Egito, República Dominicana, El Salvador, Guatemala, Panamá, Peru, Espanha, Venezuela, Estados Unidos e Rússia.

 

O Brasil está classificado no nível "moderado", junto a 33 países como Argentina, Austrália, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, México, Polônia, Paraguai, Turquia, Uruguai, Coreia do Sul e Arábia Saudita.

 

Apenas 19 países contam com níveis baixos de suscetibilidade ao aquecimento global. Bélgica, Dinamarca, Áustria, Finlândia, França, Alemanha, Itália, Grécia, Holanda, Portugal e Reino Unido, Japão e Nova Zelândia são alguns deles.

 

"Em menos de 20 anos, quase todos os países do mundo tendem a chegar a altos níveis de vulnerabilidade em pelo menos um setor, à medida em que o planeta esquenta", salienta o relatório.

 

Atualmente, a maior parte dos impactos se concentram em 50 países de baixos recursos, que precisam de "assistência urgente", segundo a DARA.

 

Ainda de acordo com os dados do estudo, 80% de todas as mortes atribuídas ao câmbio climático seriam de crianças no sul da Ásia ou na África Subsaariana, "que sucumbem com desnutrição, diarreia e malária".

Mais conteúdo sobre:
COP 16 Cancún Aquecimento Global

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.