Após manobra do Japão, Comissão da Baleia desiste de votar proposta do Brasil

Discussão do Santuário do Atlântico Sul é adiada mais uma vez, agora para 2012

Cedê Silva - O Estado de S. Paulo

14 Julho 2011 | 16h43

A Comissão Internacional da Baleia (CIB) encerra a reunião deste ano sem votar a proposta brasileira de proibir a caça no Atlântico Sul, após uma manobra, liderada pelo Japão, na qual diplomatas deixaram a sala de reuniões para não haver quórum. A informação foi dada por Marco Calvo, um dos representantes da Sociedade Mundial de Proteção Animal (WSPA) presentes à reunião na ilha de Jersey, no Reino Unido.

Nesta quinta-feira, delegados do Japão, Islândia e alguns países da África e do Caribe saíram da negociação antes que a proposta fosse votada. Em discussão desde 2001, o tema nunca atingiu os 3/4 dos votos exigidos. Em entrevista na quarta-feira, 13, ao Estado, o delegado do Brasil na CIB, Marcus Paranaguá, defendeu a discussão do assunto. A organização tem 89 membros, mas 33 faltaram à reunião deste ano. Dentre eles, fiéis aliados do Japão, como Costa do Marfim, Guiné, Ilhas Marshall e Tanzânia.

Marcela Vargas, gerente de programas da WSPA para a América Latina, disse que a atitude das nações baleeiras e seus aliados em deixar a reunião foi "ultrajante".

Mais conteúdo sobre:
Planeta Baleias CIB Brasil Japão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.