Após 12 anos, Europa aprova batata e milho transgênicos

A decisão atende solicitações americanas por um mercado mais aberto no continente europeu

Bloomberg News e Reuters

03 Março 2010 | 10h56

A União Europeia aprovou ontem, pela primeira vez em 12 anos, o plantio de espécies transgênicas no continente. O produto aprovado foi uma batata geneticamente modificada da empresa alemã Basf. A decisão atende solicitações americanas por um mercado mais aberto na Europa.

 

A variedade aprovada, batizada de Amflor, será usada para produção de amido industrial para a fabricação de papel, adesivos e têxteis. O produto sofre objeções de grupos ambientalistas. A decisão sinaliza maior desejo das autoridades europeias de retirar obstáculos que companhias de biotecnologia enfrentavam para expandir o mercado global de culturas transgênicas, que movimenta quase R$ 19 bilhões.

 

Também foram aprovadas três variedades de milho da americana Monsanto que serão usadas para produção de alimentos. Em 2004, a União Europeia aprovou a importação de alimentos transgênicos depois de seis anos de proibição. Mas ainda não permitia o cultivo.

 

O presidente de Portugal e da Comissão Europeia, José Manuel Barroso, tenta vencer a resistência de mais da metade dos 27 países que pertencem ao grupo. Pesquisas mostram oposição de consumidores europeus que temem riscos, como o aumento da resistência de bactérias a antibióticos ou o surgimento de ervas daninhas imunes a herbicidas. A União Europeia pretende votar no meio do ano uma proposta para que cada país seja responsável pela autorização de cultivos transgênicos em suas fronteiras.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.