Americanos vêem crise como ameaça à luta contra aquecimento

Empresários administradores nas Américas são os mais pessimistas, revela pesquisa

Eric Brücher Camara, BBC

09 Dezembro 2008 | 12h42

A crise econômica mundial deve "comprometer ou atrasar significativamente o combate ao aquecimento global", na opinião de mais da metade dos líderes entrevistados nas Américas, de acordo com uma pesquisa divulgada nesta terça-feira, 9, durante a reunião das Nações Unidas (ONU) sobre mudanças climáticas em Poznan, na Polônia.     Veja também:   UE enfraquece luta contra aquecimento, dizem ambientalistas Estudo diz que mercado de gases estufa cresceu 41% em 2008 Mudança climática pode elevar número de refugiados, diz ONU Acordo para vítimas do clima pode ser necessário, diz WWF Plano federal prevê queda de 70% no desmatamento até 2018 Entenda a reunião sobre clima da ONU na Polônia Quiz: você tem uma vida sustentável?  Evolução das emissões de carbono    Acompanhe a reunião de Poznan  Andrei Neto fala sobre a reunião de Poznan  Página oficial da conferência  Em todo o mundo, a visão é um pouco mais otimista - apenas 44% crêem em um impacto tão severo, segundo a pesquisa realizada pela GlobeScan, com a participação de mil líderes de empresas de 115 países, nos setores petrolífero, energético, financeiro, além de ministros de Estado e representantes de organizações não-governamentais. Por outro lado, o estudo também indica que 73% dos líderes entrevistados concordam que "crescimento econômico justo, desenvolvimento e progresso significativo" não são objetivos que se excluam. "O combate à mudança climática é o pacote de estímulo necessário para tirar o planeta da atual doença e lançar as bases de uma tecnologia verde do século 21", afirmou Achim Steiner, secretário-geral adjunto das Nações Unidas e diretor-executivo do Programa de Meio Ambiente da ONU. 'Desenvolvimento verde' A pesquisa indica ainda que apenas 11% dos entrevistados vêem crescimento e desenvolvimento como fatores excludentes. Para a grande maioria dos entrevistados, este desenvolvimento "verde" deve ser obtido primordialmente através de ganhos de eficiência energética e de conservação (77%) e da remoção de subsídios para atividades que criam emissões (76%). O desenvolvimento e pesquisa em novas tecnologias (73%), políticas públicas (72%) e a transferências de tecnologias (70%) também aparecem como possíveis prioridades dos líderes para o combate às mudanças climáticas. O investimento em biocombustíveis, como o álcool produzido no Brasil, que na pesquisa anterior tinha sido considerado uma das alternativas energéticas interessantes para 21% dos entrevistados, detsa vez atraiu apenas 12% das respostas. Agora, no topo da lista de energias com alto potencial para os próximos 25 anos estão a captura e armazenamento de gás carbônico (36%), a captura de metano de aterros sanitários (34%), a biomassa de florestas (34%), a captura do metano produzido pela indústria pecuarista (32%) e o hidrogênio (32%). O estudo divulgado na reunião de Poznan, que termina na sexta-feira, reforça pesquisas de opinião anteriores que mostram o aquecimento global e as mudanças climáticas no alto da lista de preocupações de vários países, inclusive no Brasil.   BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.