Aldo Rebelo faz últimos ajustes e diz que há acordo para aprovar Código Florestal

Acordo deve ser votado na tarde desta quarta-feira (11)

Agência Brasil

11 Maio 2011 | 11h05

Brasília - O relator do novo Código Florestal, deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP), disse nesta quarta-feira, 11, que há acordo para votar a matéria. Ele faz, nesta manhã, os últimos ajustes no texto. Depois de pronto, o documento será entregue aos líderes e aos partidos para apreciação.

Veja também:

video Acompanhe a sessão na Câmara dos Deputados

blog Acompanhe a cobertura também pelo blog do Planeta

documento Íntegra da proposta do Novo Código Florestal

video TV Estadão: Entenda o novo Código Florestal

lista A polêmica atualização do Código Florestal do Brasil

"O texto está pronto e estamos concluindo a redação do Artigo 8º, que trata das áreas de proteção permanente [APPs]. Temos acordo para votar e vamos naturalmente submeter aos líderes e aos partidos para que façam a avaliação", disse.

Segundo Aldo Rebelo, ficariam liberados de fazer a recomposição de áreas desmatadas até junho de 2008 os proprietários de terras com até quatro módulos fiscais. O tamanho do módulo fiscal varia de acordo com a região, mas precisa ter, no mínimo, dois hectares.

Acordo fechado na noite desta quarta-feira, 10, também libera o plantio de algumas culturas em APPs com a determinação de que o governo regulamente depois o tipo de cultura por meio de decreto. A liberação para o plantio, no entanto, deverá obedecer a critérios como interesse social, interesse público e atividades de baixo impacto ambientais.

Aldo Rebelo disse que a lista dos produtos que podem ser cultivados ainda está sendo fechada. "É uma negociação para que a lista inclua aquilo que o acordo prevê e dê a possibilidade de ser alterada por decreto", explicou Aldo.

A sessão que vai votar o novo código começou às 9 horas. Por enquanto, deputados discursam em plenário. A expectativa é que a votação comece à tarde.

Mais conteúdo sobre:
Código Florestal meio ambiente

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.