Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Água tem qualidade ruim em rios de sete Estados brasileiros

Apenas 19 rios e mananciais mostraram ter boa qualidade, de acordo com levantamento da Fundação SOS Mata Atlântica

Thiago Mattos, O Estado de S. Paulo

19 Março 2014 | 22h09

Atualizada às 17h

Quase metade da água dos rios, córregos e lagos de sete Estados brasileiros é considerada péssima ou ruim (40%). É o que mostra um levantamento da Fundação SOS Mata Atlântica, que analisou as condições em 177 pontos fluviais entre março de 2013 e fevereiro de 2014. Na amostra, foram considerados 32 bairros de toda a cidade de São Paulo e 15 bairros do Rio de Janeiro, além de outros pontos nos Estados de Espírito Santo, Minas Gerais, Paraná e Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Os dados foram divulgados na semana em que é celebrado o Dia da Água, no sábado.

De acordo com o levantamento, 87 pontos analisados (49%) foram classificados como regulares, 62 (35%) foram considerados ruins e 9 (5%) apresentaram condições péssimas - os últimos ficam todos em São Paulo. Apenas 19 rios e mananciais (11%) mostraram ter boa qualidade - eles estão localizados em áreas de preservação ambiental, como o Santuário Capixaba da Mata Atlântica (ES). Nenhum dos pontos foi considerado ótimo.

Esgoto. Um dos coordenadores da pesquisa, Gustavo Veronesi atribui principalmente ao despejo de esgoto doméstico a presença de poluentes nos rios e lembra que o kit usado para medir a qualidade das águas não leva em conta o esgoto industrial. "Vemos que a população está se tornando mais consciente, mas é um processo que não é muito rápido, isso demora para se tornar visível", explica, referindo-se à melhora tímida na comparação com a medição ocorrida em 2010.

Entre os parâmetros usados para avaliar a qualidade da água estão o nível do oxigênio e de pH, o odor e a presença de urina e fezes. Para realizar a medição nos diversos pontos dos Estados, o programa Rede das Águas conta com o auxílio de grupos de escolas, escoteiros e cidadãos interessados em promover a educação ambiental das comunidades.

"O poder público, as empresas e também os cidadãos já estão entendendo que cada um precisa fazer a sua parte", declara Veronesi. "Se nós não maltratássemos tanto os rios localizados em São Paulo, talvez não tivéssemos de buscar água tão longe", completa.

Mais conteúdo sobre:
água SOS Mata Atlântica

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.