Agência da ONU vê El Niño de 'fraco a moderado' este ano

O El Niño que se forma no Pacífico parece ser apenas uma versão branda do fenômeno que em outras épocas causou devastação pelo planeta, afirmou nesta quarta-feira a Organização Mundial de Meteorologia (OMM), a agência da ONU para o clima.

BY ROBERT EVANS, REUTERS

19 Agosto 2009 | 13h44

Mas a entidade alertou que mesmo mais fraco, o El Niño -- fenômeno pelo qual a mudança de temperatura da água no Pacífico afeta o clima em todo o mundo -- poderia modificar o padrão normal do clima em muitas regiões, provocando seca em alguns lugares e fortes tempestades em outros.

"O que parece emergir é um El Niño de fraco a moderado, mas que continuará pelo resto do ano e se estenderá até o primeiro trimestre de 2010", disse a jornalistas o cientista sênior da OMM Rupa Kumar Kolli.

Ele afirmou que o novo El Niño não teria de modo algum a força da versão de 1997-98 -- a pior registrada até hoje --, que produziu condições meteorológicas extremas e destruição por todo o hemisfério sul e partes do norte.

Aquele El Niño provocou enormes tempestades que afetaram a costa e cidades do oeste da América Latina, matando centenas de pessoas ali e em outras partes do planeta, além de causar bilhões de dólares em prejuízos na Ásia e Austrália.

Tanto países em desenvolvimento como nações ricas estão observando ansiosamente o novo fenômeno no Pacífico, temendo que mesmo pequenas alterações nos padrões do clima possam afetar gravemente economias já castigadas pela recessão global.

Kolli apresentou um relatório da OMM sobre a situação e prognósticos para os fenômenos do El Niño e La Ninã que fazem com que a temperatura da superfície no Pacífico, o maior oceano do mundo, ora fique acima da média ora abaixo dela.

Kolli não disse como o El Niño afetará cada região em particular.

As variações na temperatura da água alteram padrões atmosféricos e a circulação do ar pelos continentes e mares, frequentemente combinando-se com desdobramentos locais do clima sem conexão com esses fenômenos, o que cria situações extremas desordenadas.

Já foram emitidos alertas na Austrália e sul da África sobre a possibilidade de secas e perda de lavouras, uma vez que a chuva da temporada está demorando a cair. Por outro lado, fazendeiros do leste da África foram informados de que devem esperar chuvas mais fortes do que o normal.

O relatório da OMM diz que durante o El Niño as temperaturas no Pacífico provavelmente ficarão entre 0,5 e 2 graus Celsius acima do padrão dos últimos cem anos -- muito abaixo dos 5 e em alguns lugares 7 graus acima do padrão, verificados no El Niño de 1997-98.

Especialistas dizem que um evento como o de 1997-98 já teria sido antecipado se houvesse um elevado aumento da temperatura da água do Pacífico de junho a agosto, o que não ocorreu.

A OMM afirmou que mesmo uma fraca ocorrência, com temperaturas somente 0,5 graus acima do normal, "pode ter um impacto substancial nos padrões do clima em muitas partes do mundo." Kolli disse que isso pode estar contribuindo para o retardamento das monções na Índia.

Os cientistas da OMM também repercutiram um prognóstico do Centro de Previsões de Clima, do governo dos Estados Unidos, em 6 de agosto, de que o El Niño iria reduzir o número de furacões que costumam atingir o oeste do Atlântico norte e o caribe na atual temporada.

Mais conteúdo sobre:
CLIMA ONU ELNINO PREVISAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.