42% do desmate do mundo entre 2000 e 2005 ocorreu no Brasil

A FAO destaca que País terá dificuldade de frear desmatamento diante dos interesses agrícolas e do etanol

Jamil Chade, correspondente de O Estado de S. Paulo,

16 Março 2009 | 14h06

O Brasil registrou a maior perda absoluta de floresta no mundo entre 2000 e 2005 e 42% da mata cortada no planeta nesses anos ocorreu dentro do território nacional. A conclusão é da FAO, que destaca que o País terá grandes dificuldades de frear o desmatamento diante dos interesses agrícolas e do etanol de expandir a produção no próximos anos. No mundo, a FAO alerta que a crise internacional também deve aumentar a vulnerabilidade das florestas e secar os financiamentos para projetos ambientais. Entre 2000 e 2005, 200 quilômetros quadrados de florestas foram perdidos no mundo a cada dia.

 

Veja também:

link Florestas perdem 200 km² por dia no mundo, alerta FAO

 

Segundo a FAO, o Brasil perdeu 3,1 milhões de hectares de florestas por ano entre 2000 e 2005. Isso significou uma redução de 0,6% na cobertura florestal a cada ano. Segundo a FAO, o País observou uma aceleração no desmatamento em comparação ao período entre 1995 e 2000. Naqueles anos, a perda de floresta foi de 2,6 milhões de hectares por ano, 0,5% da cobertura.

 

O levantamento feito pela entidade com sede em Roma destacou que 75% do desmatamento na América do Sul ocorreu no Brasil. Na região, 4,2 milhões de hectares de mata foram perdidos entre 2000 e 2005.

 

Em comparação a outros países, o Brasil lidera amplamente com a maior área desmatada no planeta, mesmo que seu território ainda esteja coberto por floresta em 57,2%.

 

Em toda a África, a perda de florestas foi de cerca de 4 milhões de hectares por ano entre 2000 e 2005. O único país com dados parecidos ao do Brasil é a Indonésia, com o corte de 1,8 milhão de hectares de floresta por ano. Em termos percentuais, o desmatamento no território indonésio é mais significativo que o do Brasil, já que atingiu 2% da cobertura por ano.

 

Outros países que também sofreram foram Mianmar, que perdeu 466 mil hectares por ano de floresta, contra 445 mil em Zâmbia e 400 mil na Nigéria. Na Europa, a FAO registrou uma alta na área de cobertura de floresta, com um ganho de 600 mil por ano.

Mais conteúdo sobre:
desmatamento Amazônia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.