Blocos resgatam a memória de rios paulistanos

Blocos resgatam a memória de rios paulistanos

tiagoqueiroz

16 Fevereiro 2016 | 17h20

Bloco do Água Preta

No sábado a tarde (dia 13) nas ruas da Vila Anglo houve uma enxurrada, mas não de água e sim de gente, que simbolicamente transbordou o Água Preta, rio canalizado pela expansão irrefreada da cidade nas últimas décadas.

SÃO PAULO 18.06.2014 VIAGEM PARQUE ESTADUAL DO RIO PRETO TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

Bloco do Água Preta no início do percurso pelas ruas do bairro. FOTO TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

O Bloco surgiu da vontade do casal de artistas, a dançarina Anahí Asa e o músico Lincoln Antonio, de fazerem um bloco de rua que discutisse algo relevante para a cidade. Eles reparavam nas andanças pelo bairro nas várias nascentes que escorriam dos prédios da região e no rio, canalizado, que nunca dava as caras. Somente na travessa Roque Adóglio é possível ouvir suas águas. Um dia Lincoln chegou em casa trazendo um presente para Anahí, um antigo mapa da região contendo o percurso do rio. Dias depois a dançarina teve um insight caminhando pela rua. “Vamos fazer um bloco de carnaval que passe pelo trajeto do rio”, pensou. O marido gostou bastante da ideia e junto com outros amigos músicos começaram a pensar juntos na questão da água na cidade e, claro, tudo que envolve colocar um bloco na rua.
SÃO PAULO 18.06.2014 VIAGEM PARQUE ESTADUAL DO RIO PRETO TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

Lincoln Antonio e Anahí Asa; os fundadores do Bloco. FOTO TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

A primeira – e única – cláusula do estatuto do Água Preta diz muito sobre eles: “O Bloco do Água Preta será um Bloco acessível para todas as idades!” Todos ali são responsáveis pelo bem estar de qualquer um dos integrantes e assistindo o cortejo percebe-se que essa preocupação estende-se também para a cidade. Latinhas de água e cerveja são postas em sacos plásticos e durante o percurso não avistei lixo sendo jogado nas ruas pelos foliões. Diferente de boa parte dos grandes blocos que circularam por São Paulo.
SÃO PAULO 18.06.2014 VIAGEM PARQUE ESTADUAL DO RIO PRETO TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

Preocupação em recolher o lixo produzido. FOTO TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

O bloco é pequeno, mas como é feito em grande parte por músicos amigos de Lincoln e Anahí possuem uma potente banda, com flautas, saxofone, cavaquinho, pífano e instrumentos de percussão. Para levar as crianças, o grupo contou com o apoio do Bloco Bastardo. Os amigos cederam um carrinho em forma de barco com capacidade para seis crianças. Os adultos se revezaram cuidando dos pequenos. E para amplificar o som, um triciclo amarelo, que dava um charme todo especial à trupe. A bicicleta foi cedida pela companhia teatral Cia São Jorge.
SÃO PAULO 18.06.2014 VIAGEM PARQUE ESTADUAL DO RIO PRETO TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

O triciclo cedido pela Cia São Jorge… FOTO TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

SÃO PAULO 18.06.2014 VIAGEM PARQUE ESTADUAL DO RIO PRETO TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

… e o barquinho para as crianças emprestado dos colegas do Bloco Bastardo. FOTO TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

O Bloco toca só músicas próprias – segundo Anahí viram uma espécie de “mantra” e nesse ano a tragédia do rompimento da barragem da mineradora Samarco foi lembrada na letra e em algumas fantasias, como a da oceanógrafa Mariana Corá, de 32 anos, que fez uma saia azul com detalhes em marrom e figuras de peixes mortos. Mariana se identificou com o Bloco devido a análise crítica que fazem dos rios da cidade, além de destacar o aspecto “família” do grupo. Outra fantasia bem criativa que chamava a tenção era a da canadense chilena Alejandra Burchard, de 28 anos, que junto com amigas produziu com papelão um vistoso Yellow Submarine, o submarino amarelo dos Beatles. Esse foi o primeiro carnaval de Alejandra que nem de longe, segundo ela, tem uma festa parecida nos seus dois países de origem. Engenheira química, trabalha com questões envolvendo a água e assim como Mariana, entusiasmou-se em juntar questões sociais e ambientais com a farra do carnaval. Além de fantasia de Rio Doce e Submarino havia muita gente fantasiada de banhista fluvial, com maiôs, óculos de natação e roupas de praia. Dois “mosquitos Aedes” também marcaram presença.
SÃO PAULO 18.06.2014 VIAGEM PARQUE ESTADUAL DO RIO PRETO TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

A oceanógrafa Mariana Corá lembrou da tragédia da barragem. FOTO TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

SÃO PAULO 18.06.2014 VIAGEM PARQUE ESTADUAL DO RIO PRETO TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

Alejandra Burchard (esquerda) e suas amigas foram de Submarino Amarelo. FOTO TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

SÃO PAULO 18.06.2014 VIAGEM PARQUE ESTADUAL DO RIO PRETO TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

O mosquito Aedes aegypti também foi lembrado. FOTO  TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

 

A concentração do grupo foi na Praça Rio dos Campos, sugestivo nome que remete a uma cidade que tem muita água, apesar de boa parte de seus rios e córregos estarem poluídos e canalizados. Longe da vista da população. Antes do grupo sair pelas ruas do bairro, caminhei até a travessa Roque Adóglio, um beco cheio de grafites e, infelizmente,em alguns pontos, com lixo como restos de aparelhos domésticos; televisões, geladeiras, madeira queimada e entulho. No início do caminho um bueiro com as inscrições “Aqui passa o Água Preta”. O Bloco grafita a cada apresentação essa frase como forma de lembrar os moradores a presença do rio. Esqueci um pouco o carnaval. Apurei mais minha audição, me detive naquele bueiro. Pude escutar um outro som. O belo ruído das águas do Água Preta que correm aprisionadas por uma cidade que por muitos anos esqueceu-se de sua natureza. Minutos depois uma enxurrada de gente ia passar pela viela e “atravessar” suas águas.

SÃO PAULO 18.06.2014 VIAGEM PARQUE ESTADUAL DO RIO PRETO TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

Local onde é possível ouvir o rio, na travessa Roque Adóglio. FOTO TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

SÃO PAULO 18.06.2014 VIAGEM PARQUE ESTADUAL DO RIO PRETO TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

Banhista prepara-se para “entrar” nas águas do rio. FOTO TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

SÃO PAULO 18.06.2014 VIAGEM PARQUE ESTADUAL DO RIO PRETO TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

Sábado de muito calor e agitação na “beira” do rio. FOTO TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

SÃO PAULO 18.06.2014 VIAGEM PARQUE ESTADUAL DO RIO PRETO TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

Uma enxurrada de gente pelas ruas da Vila Anglo. FOTO TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

SÃO PAULO 18.06.2014 VIAGEM PARQUE ESTADUAL DO RIO PRETO TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

Travessia das águas no Bloco Água Preta. FOTO TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

SÃO PAULO 18.06.2014 VIAGEM PARQUE ESTADUAL DO RIO PRETO TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

Muitas fantasias com trajes de banho pelo Bloco. FOTO TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

SÃO PAULO 18.06.2014 VIAGEM PARQUE ESTADUAL DO RIO PRETO TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

E quem disse que não tinha água? FOTO TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

 

Bloco Fluvial do Peixe Seco
Além do Bloco do Água Preta, outro Bloco discute o papel das águas na cidade e a importância de se resgatar os rios da cidade, o Bloco Fluvial do Peixe Seco.
Criado a partir de discussões e vivências do coletivo Mapa Xilográfico que realiza outras atividades fora do período do carnaval, o Bloco desfila desde 2014, sempre falando sobre os rios de São Paulo. Esse ano o tema do desfile – sim o bloco promove um pós-carnaval no próximo domingo, dia 21, às 14 horas – será sobre o Rio Tamanduateí. A saída será no Largo do Pari, próximo ao Mercado Municipal.
12381152_10208995067060141_1001007541_o 12746385_10208995041219495_1070101437_n
Foto Thais Carvalho Hércules/Bloco Fluvial do Peixe Seco