Jardim da praia de Santos: um ‘pulmão’ com 218 mil m²

Lucia Damico

28 Junho 2012 | 17h53

Como santista de nascimento, não poderia deixar de falar sobre a importância do Jardim da Orla de Santos para a cidade e também para os santistas. Colorido durante todo o ano, com dezenas de flores e folhagens, o espaço tem 218.800m², 5.335 metros de extensão, espalhados em sete quilômetros de praias.

Segundo o chefe do Departamento de Parques e Áreas Verdes (DEPAV) da Prefeitura de Santos, João Cirilo, “esta imensa área verde, a maior da cidade, é considerada o pulmão santista, porque atua diretamente na captação de co2 (gás carbônico), auxilia na dispersão de poluentes e na permeabilidade de solo, reduz o calor, favorece a fauna local, além de elevar o bem estar dos frequentadores, com influência direta na qualidade de vida”.

O projeto foi idealizado pelo engenheiro e sanitarista Francisco Rodrigues Saturnino de Brito em 1914, mas as primeiras obras começaram na década de 1920, com o plantio dos primeiros Chapéus-de-Sol (Terminalia catappa), uma das árvores mais comuns na cidade.

Somente na década de 1960 o traçado definitivo tomou forma e as espécies que iriam compor o jardim foram selecionadas, com base em aspectos climáticos e o efeito estético pretendido. “As plantas deveriam evitar a obstrução visual da praia e, ao mesmo tempo, possibilitar um movimento vertical, criando uma verdadeira moldura vegetal para o horizonte marítimo”, explica João Cirilo.

Em 2001, após um levantamento detalhado, entrou para Guinness Book – o livro dos recordes – como o maior jardim de praia do mundo (Guiness World Records. 2001. p.196)

Atualmente, o Jardim da Orla de Santos tem 920 canteiros, com cerca de 82 espécies de plantas em toda a extensão e 1.746 árvores/palmeiras na área ajardinada. Passa por manutenção periódica, da qual participam 25 funcionários da Prefeitura, entre engenheiros agrônomos, encarregados, jardineiros, podadores, ajudantes gerais e micro-tratoristas.

As plantas ornamentais são escolhidas pela resistência à salinidade e ao vento sul. As mais caracteristicas são: biris, lírios amarelos, iris, moreias, alamandas, agapantus, crinus, lírios da paz e dracenas. A maior parte do gramado é da espécie São Carlos (Axonopus compressus) e recebe aparo semanal com tratores. Todos os resíduos do corte são utilizados no próprio jardim como adubação orgânica.

“Quem observa o Jardim da Orla de Santos sempre verá uma novidade, porque ele tem vida, movimento, não é estático. Desperta os sentidos do ser humano, no toque, no cheiro e no olhar. Cada passo é uma descoberta de tonalidades, texturas e odores diferentes”, conclui Cirilo.

Curta Flores de Lulu no Facebook
Siga o @FloresdeLulu no Twitter
Mande críticas e sugestões para floresdelulu@gmail.com