Petrolífera anuncia fim da exploração em território de tribos isoladas
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Petrolífera anuncia fim da exploração em território de tribos isoladas

Maria Fernanda Ribeiro

15 Março 2017 | 13h43

Os Matsés dependem e cuidam de uma grande área da Fronteira Isolada Amazônica há gerações

 

 

A petrolífera canadense Pacific E&P anunciou que irá se retirar do território de diversas tribos isoladas na Amazônia peruana, onde começou sua primeira fase de exploração em 2012.


 

O aviso chegou até a organização global Survival International, no dia 13 de março, por meio de uma carta assinada pela área de Relações Institucionais e de Sustentabilidade da E&P. No comunicado, eles informam que decidiram renunciar seus direitos sobre exploração de petróleo no bloco 135 imediatamente e reiteraram o compromisso da companhia em conduzir suas operações de “acordo com as mais elevadas diretrizes de sustentabilidade e direitos humanos.”

 

O bloco exploratório 135 fica dentro da reserva indígena proposta de Yavarí Tapiche. A organização nacional indígena do Peru (AIDESEP) pede a criação da reserva há mais de 14 anos e parte da área concedida para a exploração fica no recém-criado Parque Nacional da Serra do Divisor, considerado um dos locais de maior biodiversidade da Amazônia.

 

O governo peruano concedeu à Pacific E&P os direitos de explorar dentro do parque e, desde então, as campanhas para barrar a exploração não cessaram, com milhares de apoiadores lotando a caixa de email do presidente da E&P mostrando indignação com a exploração em área protegida.

 

Salomon Dunu, homem Matsés que sobreviveu ao trauma do primeiro contato, fala com uma pesquisadora da Survival sobre a ameaça da exploração de petróleo ao seu povo

Salomon Dunu, homem Matsés que sobreviveu ao trauma do primeiro contato, fala com uma pesquisadora da Survival sobre a ameaça da exploração de petróleo ao seu povo

 

A região de Yavarí Tapiche é parte da Fronteira Isolada Amazônica. Essa área se estende ao longo da fronteira do Brasil e Peru e é lar de mais tribos isoladas do que em qualquer outro lugar no mundo, de acordo com informações da Survival International.

 

Ainda de acordo com a organização, sabe-se muito pouco ainda sobre as tribos isoladas da área, mas acredita-se que alguns sejam Matsés, mas também existem outros povos nômades e isolados na região.

 

Em uma reunião indígena no fim de 2016, um homem Matsés, cuja tribo foi forçada a fazer contato no fim do século 20, teria dito que não queria os filhos destruídos pelo petróleo. “Por isso, estamos aqui reunidos, Matsés. As petroleiras vão trazer o pior e com tal afronta não vamos ficar calados, sendo explorados em nossa própria casa. Se for necessário morrer, vamos morrer na guerra contra o petróleo.”

 

A exploração de petróleo envolve a contínua invasão de terras em diversas áreas da região Amazônica, assim como a exploração ilegal de madeira, ouro e diamante, o que pode aumentar drasticamente o risco de contato forçado com tribos isoladas, além de ser ameaça constante a terras já demarcadas. Isso as deixa vulneráveis à violência e a doenças como a gripe e o sarampo, às quais não têm resistência. Além disso, já está comprovado que as terras indígenas são a melhor maneira de proteger o meio ambiente e barrar o desmatamento.

 

A região inclui a Serra do Divisor, uma região única e extremamente biodiversa conhecida por suas montanhas em forma de cone

A região inclui a Serra do Divisor, uma região única e extremamente biodiversa conhecida por suas montanhas em forma de cone

 

O anúncio de que a exploração não irá em frente foi recebido com satisfação por muitos como um passo significativo na luta para proteger as terras, vidas e direitos humanos dos povos indígenas isolados.

 

“Essa é uma ótima notícia para a campanha global pelas tribos isoladas e para todos aqueles que querem parar o genocídio que ocorre nas Américas desde a chegada dos colonizadores. Todas as tribos isoladas enfrentam uma catástrofe, a não ser que suas terras sejam protegidas. Nós acreditamos que elas são uma parte vital da diversidade humana e merecem que seu direito à vida seja protegido. Nós continuaremos a liderar a luta para deixá-las viver”, afirmou o diretor da Survival, Stephen Corry.

 

A Fronteira Isolada Amazônica, uma grande área na fronteira entre o Brasil e o Peru, é lar para a maior concentração de tribos isoladas do mundo

 

 

 

*

Eu na Floresta

Facebook: Eu na Floresta

Instagram: @eunafloresta

Twitter: @mfernandarib

Email: @eunafloresta@gmail.com