A batalha para fazer valer a lei
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

A batalha para fazer valer a lei

Dener Giovanini

21 Maio 2013 | 20h09

Novo Código Florestal completa um ano

Foi lançado hoje em Brasília, por um grupo de entidades socioambientais, o Observatório do Novo Código Florestal. O objetivo é acompanhar e avaliar a aplicação da lei no país. Aprovado no ano passado, o novo código completa um ano nesta semana com poucos resultados alcançados. Segundo o Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam), mais de 80% das propriedades rurais precisam ser regularizadas. São mais de 4 milhões de imóveis fora da base eletrônica de dados do governo – o SiCAR (Sistema Integrado de Cadastros Ambientais Rurais), utilizado para monitorar o desmatamento. O deputado Sarney Filho (PV-MA) defende o envio de ajuda federal aos estados para acelerar a implantação do cadastro, requisito para aplicação da nova lei.

Deputado Sarney Filho (PV-MA) defende criação de força-tarefa para tirar a lei do papel (Antonio Augusto/Agência Câmara)

Pará sai na frente contra o desmatamento

Para convencer os produtores rurais paraenses de que vale a pena fazer o cadastro ambiental, foi lançada uma campanha inédita na região amazônica. O secretário-executivo do programa Municípios Verdes, Justiniano Netto, acredita que a origem sustentável dos produtos é um diferencial competitivo no mercado e, para avançar economicamente, é preciso “virar a página do desmatamento”. O Pará é hoje o estado com a maior área do país a compor o CAR (Cadastro Ambiental Rural), algo em torno de 30 milhões de hectares. A meta do governo estadual é regularizar todas as propriedades (62 milhões de hectares) e, por meio da veiculação de material publicitário, mostrar o valor econômico da floresta em pé.

Novas espécies de aves são descobertas na Amazônia

Pesquisadores brasileiros e norte-americanos estão surpresos com a descoberta de 15 aves no sul da Amazônia, muitas vivendo perto de rios, na área conhecida como Arco do Desmatamento. A região registra um dos piores índices de destruição da floresta por causa do crescimento das cidades e da expansão da agropecuária. O surpreendente achado, por isso, vem acompanhado de um alerta: quatro destas espécies podem desaparecer da natureza se o seu hábitat for alterado. A aves estão sendo catalogadas para posterior divulgação no “Handbook of the birds of the world” ainda neste ano. No livro constarão o nome científico das aves, seus hábitos e anatomia.

A gralha cancão-da-campina mal foi descoberta e está ameaçada de extinção (Divulgação/Luciano Lima)

CO2 em níveis críticos 

O dióxido de carbono na atmosfera ultrapassou a marca de 400 ppm (partes por milhão) nos Estados Unidos. Em 1958, quando se iniciaram as medições no Havaí, havia 315 ppm de CO2 no ar. Para os cientistas preocupados com o aquecimento global, o aumento evidencia falha nos esforços para reduzir as emissões de gases-estufa. A concentração de gás carbônico no hemisfério norte vai se espalhar por todo o planeta e a previsão dos estudiosos do clima é que o aumento de CO2 seja detectado em breve nos observatórios situados abaixo da linha do Equador. As alterações climáticas vão ser sentidas nos próximos vinte anos na forma de fortes secas, inundações e tempestades. Em setembro do ano passado, o derretimento de geleiras no Ártico atingiu ritmo recorde.