A velha “nova política” de Marina Silva
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

A velha “nova política” de Marina Silva

Dener Giovanini

08 Setembro 2014 | 11h26

É até compreensível que os “marineiros” – o pequeno grupo que segue a Osmarina Conselheira – acreditem e defendam o bordão da Nova Política. Se a própria Marina Silva já os tachou de “sonháticos”, quem sou eu para contestar o diagnóstico psicológico emitido pela entidade, quer dizer, candidata.

O que realmente espanta é o fato dos “marinados” – grupo de novos eleitores de Marina que são “contra tudo isso que ai está” – comprarem o discurso mofoemotivo da candidata do PSB.

Ao contrário dos que me rotulam de petista ou tucano, não tenho filiação política e muito menos militância partidária. Sinto-me absolutamente livre e com a consciência tranquila. Quem tem dúvidas sobre a minha inclinação ideológica basta consultar minha página no Estadão. Nunca poupei o PT ou o PSDB de críticas. Também ressalto que nesse espaço eu não atuo como repórter. Sou jornalista por formação, ambientalista por convicção, empresário por opção e brasileiro por graça divina. Meus artigos são opinativos e analíticos.

Dito isso, volto ao tema em questão.

Entendo e apoio integralmente a indignação daqueles que se sentem desprotegidos e aviltados com os escândalos de corrupção. Realmente, é de dar nojo. Corrupção é corrupção e não admite relativização. Se for do PT ou do PSDB, ou de qualquer partido que seja, tem que ser investigada e punida. O Brasil não aguenta mais tantos desmandos e, principalmente, morosidade nos julgamentos, aliada ao abrandamento da penalização dos corruptos.

Porém, pior do que a corrupção é a generalização desse conceito, numa tentativa de imputar à classe política o descrédito total. Isso é um erro gravíssimo. Corruptos não são instituições, são CPFs. Existem políticos corruptos assim como existem jornalistas corruptos, ambientalistas corruptos, empresários corruptos e brasileiros corruptos. Afirmar que o brasileiro é um povo corrupto é uma injustiça tão grande quanto afirmar que políticos são corruptos apenas por serem políticos.

Esse pensamento abre espaço exatamente para queles que se travestem de anti-político, mesmo tendo se servido a vida inteira da política. Esse é o discurso mais desonesto e hipócrita da chamada Nova Política. Tão hipócrita quanto um bando de intelectuais resmungando contra a violência enquanto consomem sua cocaína diária.

E o que essa discussão tem a ver com os “marinados”? Tem tudo.

Será que quem enxerga hoje a Marina Silva como uma forma de protesto contra a corrupção é a mesma pessoa que acredita que o escândalo do mensalão não existiu? Que o mensalão foi apenas uma “fantasia”, um “golpe” ou uma “invencionice” da imprensa?

Pois é exatamente isso o que achava Eduardo Campos, o símbolo da Nova Política de Marina Silva. Dúvida? Então leia a “Carta À Sociedade Brasileira” assinada por Eduardo Campos:

Que Nova Política é essa? Seria a política do “vamos apostar na falta de memória do eleitor”? Sinceramente, essa é mais velha que andar pra frente.

Só para lembrar: o escândalo do mensalão explodiu em maio de 2005. Marina Silva deixou o governo em maio de 2008. Ela demorou “apenas” três anos para deixar de apoiar a velha política de um governo do qual participava e dava sustentação. Eduardo Campos, ex-ministro da Ciência e Tecnologia de Lula, fez o mesmo.

Mas não existe corrupção em outros partidos também? Sim, existe. Não vamos nos esquecer do “mensalão mineiro do PSDB”, do “mensalinho” do DEM, dos escândalos envolvendo o PTB, o PMDB, o PR, entre outros.

Mas agora dizem: Marina mudou de ideia. Marina tem o direito de mudar de opinião. Marina é a NOVA POLÍTICA! Todo mundo tem todo o direito de mudar de opinião, isso é saudável. Só não pode e não deve é mudar o seu passado. Se apresentar como aquilo que não é.

Francamente, caro leitor “marinado”: pesquise e analise. Não estou aqui pedindo que ninguém mude o seu voto, apenas que reflita um pouco mais sobre “tudo que ai está” e que escolha seu candidato com base em seu passado e não em velhas promessas de um novo futuro.

Concordo plenamente com Marina Silva quando ela afirma que o Brasil não pode mais ficar refém da polarização PT e PSDB. O Brasil é heterogêneo e deve sempre caminhar a favor da diversidade política. Mas nem por isso devo enxergar que partidos grandes, bem estruturados e fortes são um mal em si. Ao contrário. Ou alguém acredita que a polarização entre democratas e republicanos nos Estados Unidos é um entrave ao desenvolvimento da América? Será que a polarização entre trabalhistas e conservadores na Inglaterra fez do Reino Unido um fracasso econômico e social? Poupe-me Marina Silva.

Até nisso você falseia.

A candidata do PSB quer substituir a velha polarização PT e PSDB pela nova polarização entre a Velha e a Nova Política, da qual ela se intitulou representante oficial ao esconder no armário o seu passado.

Assim como o povo brasileiro, a maioria dos políticos não é corrupta. O problema é que os maus sempre se sobressaem aos bons. São como os policiais honestos que enfrentam o crime e se arriscam diariamente em troca de salários medíocres. Esses, apesar de compor a maioria, nunca viram manchete por serem corretos. Mas eles existem e estão lá.

Assim como estão aí os políticos que servem à Nação, sem precisar escamotear seu passado e muito menos se rotularem como “o novo” numa tentativa fazer o eleitor de otário. Basta!

Foto: Valter Campanato/ABr

Mais conteúdo sobre:

PolíticaReflexões