Reduza, reutilize, recicle: a hora do escambo na moda

Rodrigo Martins

28 Julho 2009 | 02h14

A necessidade de se repensar os hábitos de consumo, seja por razões econômicas ou ambientais (ou ambas), traz de volta o velho conhecido escambo. E não é que a troca de mercadorias já está virando um novo modelo de negócios?

A partir desta quarta-feira (29/07) vai ser aberto ao público em São Paulo o Super Cool Market, um conceito de loja de roupas que pretende trocar, vender e comprar peças em bom estado, estimulando um consumo mais consciente. A iniciativa é inspirada na Buffalo Exchange, loja de escambo americana que começou a funcionar em 1974 e ganhou mais adeptos (advinha?) em razão da crise financeira. Hoje são 35 lojas nos Estados Unidos que faturaram US$ 60 milhões no ano passado e deram aos criadores o título de “Empreendedores do Ano”, concedido pela consultoria Ernst&Young. Em Nova York, o lugar é famoso por suas filas quilométricas e já virou ‘business case’ em universidades.

A idéia da nova loja, que tem entre as sócias a apresentadora de TV Carla Lamarca, é ir além do estilo brechó/loja de segunda mão, e oferecer também peças de marca própria e de estilistas iniciantes. O cliente pode levar sua sacola cheia de roupas (em bom estado, é bom frisar). Elas serão avaliadas na hora e o valor, pago em dinheiro ou em crédito para trocar por outras peças. A idéia é fazer com que os clientes repensem os hábitos de consumo e façam com que a vida útil de cada peça de roupa seja ampliada para além de uma estação.

Serviço: O Super Cool Market fica na Rua Purpurina, 219, Vila Madalena, São Paulo. Informações aqui ou pelo telefone (11)3031-1663