O promissor mercado de tecnologias verdes

Rodrigo Martins

25 Fevereiro 2009 | 20h55

Sem muito alarde, o mercado das chamadas tecnologias verdes – como tratamento de água, gestão de resíduos e reciclagem e controle da poluição – está em franco crescimento e já movimenta a cifra de US$ 5 bilhões no Brasil, o que faz de nós o maior mercado de soluções ambientais da América Latina.

Tanto é que já existe um movimento forte de consolidação desse setor no Brasil. Empresas estão comprando suas concorrentes e criando verdadeiras ‘holdings’ de sustentabilidade, com apetite para crescer.

Um exemplo é o grupo Haztec, do Rio de Janeiro. Criada há dez anos por três recém-formados, a empresa começou prestando serviços de controle da poluição em postos de combustíveis. Evitavam, por exemplo, que o combustível vazasse para o lençol freático. Com o tempo, foram aumentando a oferta de serviços, até que chamaram a atenção de um grupo de private equity (que compram participações em empresas), o Synthesis, que em 2003 adquiriu o controle da empresa.

Até que em 2007 dois fundos de investimentos ligados apostaram no potencial de crescimento desse mercado ‘verde’. Com o aporte de recursos, a Haztec foi às compras. Adquiriu o controle de seis empresas em menos de dois anos e se tornou a maior companhia de serviços ambientais do País. Hoje oferecem soluções nas áreas de água, controle de poluição, gestão de resíduos industriais e lixo urbano, entre outras.

Poluir vira crime
Como lembra Marcos Ferreira, presidente da Haztec, “há dez anos atrás o mercado de tecnologias e serviços ambientais inexistia. Graças à Lei de Crimes Ambientais, que acenou com a possibilidade de aplicar multas de até R$ 50 milhões à empresas poluidoras, os negócios decolaram”. Mais informações no Estado de hoje, “Empresas criam holdings de serviços verdes”.

E para quem acha que sustentabilidade não é um bom negócio, vem aí a Ecogerma 2009. Será a maior feira realizada na América Latina de negócios e tecnologias ambientais, entre os dias 12 e 15 de março, no Transamérica Expo Center, em São Paulo. O evento é uma iniciativa da Câmara de Comércio Brasil-Alemanha e espera atrair 20 mil visitantes.

Em tempos de crise, os negócios ‘verdes’, tem sido saudados por muitos – inclusive por Barack Obama – como a grande panacéia dos novos tempos, para reerguer a velha economia moribunda.


Marcos Ferreira, da Haztec, diz que há espaço para crescer. Foto de Wilton Junior/AE