Habitação popular 'verde': será que agora vai?

Rodrigo Martins

25 Março 2009 | 20h32

E o governo federal anunciou hoje seu ambicioso plano de construção de um milhão de moradias populares, como foi amplamente noticiado. Se o programa é factível de ser cumprido, se tem caratér eleitoreiro ou se vai ajudar a amenizar os efeitos da crise econômica, são temas que não vamos discutir aqui.

Mas uma informação saltou aos olhos e merece nossa atenção. O ministro do Meio Ambiente Carlos Minc garantiu que as casas populares serão ‘verdes’. Terão aquecimento de água por energia solar – já que o chuveiro elétrico é “o predador do consumo de energia”, nas palavras do ministro. Sua colega Dilma confirmou. “O uso de energia solar tornará os empreendimentos ambientamente sustentáveis e proporcionará redução de 30% na conta de luz da população de baixa renda”, disse a ministra presidenciável.

O governo espera que o aquecimento solar reduza as emissões de gases de efeito estufa em 830 mil toneladas. Também evitaria a necessidade de construção de uma usina hidrelétrica de 520 megawatts (MW) de potência.

Mais: a proposta é que as casas tenham também captação de água de chuva, o que seria implementado “gradualmente”, segundo Minc. E a madeira utilizada nas construções deverá ser de origem certificada, ou seja, provenientes de áreas de manejo controlado, com selo de origem.

Além disso, os empreendimentos terão de cumprir alguns requisitos para obter o licenciamento ambiental. Entre eles (não seriam óbvios?): serem construídos fora de regiões de proteção permanente; não poderão estar localizados em áreas de risco e deverão contar com infraestrutura de esgoto. Sem esses requisitos, o governo não dará a licença ambiental, alardeou Minc.

A notícia nos faz pensar: será que finalmente o governo acordou para a necessidade de se construir com menor impacto ambiental e para os benefícios de se usar de modo mais racional os recursos como água e energia? A tendência do ‘green building’ já aterrissou por aqui há pelo menos uma década, com grandes condomínios, varejo e indústria aderindo paulatinamente. A propósito, leia matéria que publicamos hoje sobre o assunto: “Novas fábricas ‘verdes’ reduzem o impacto ambiental“.

Se assim for feito, teremos motivos para comemorar: estaria o conceito da sustentabilidade finalmente sendo assimilado pela esfera pública? Ou estaria o governo só fazendo greenwash (maquiagem verde) porque isso pega bem nos tempos atuais?
Vamos aguardar.


Alguns conjuntos habitacionais já trazem painéis de aquecimento solar