Em Nova York, até os cones de trânsito serão 'verdes'

Rodrigo Martins

17 Dezembro 2008 | 21h05

Em breve, até os cones e placas de sinalização de trânsito de Nova York terão de ser ecológicos. E não só eles: também aparelhos de ar-condicionado, lavadoras de louça e de roupas, impressoras e outros bens de consumo. Até a grama dos parques e praças deverá ser escolhida por critérios ambientais.

É o que sinaliza um conjunto de 18 novas diretrizes verdes, lançado pelo Estado de Nova York, para orientar as compras públicas. Ou seja, cada compra realizada pelo poder público local terá que ter critérios verdes, como eficiência energética, uso de matéria-prima reciclada, redução no uso de componentes tóxicos e reciclagem. As impressoras, por exemplo, deverão ter o selo Energy Star e estar programadas para imprimir dos dois lados do papel. As placas de trânsito deverão ser alimentadas por energia solar, e os cones devem ser feitos de pelo menos 50% de matéria-prima reciclada.

O conjunto de normas ainda vai passar por apreciação pública. As medidas podem parecer exageradas, mas são um meio de o poder público avançar em sustentabilidade, e influenciar a indústria no desenvolvimento de tecnologias mais verdes e com menor consumo de energia.


Por aqui, existe uma ótima iniciativa, do Greenpeace: o programa Cidade Amiga da Amazônia, que estimula que as prefeituras só comprem madeira de origem certificada, de modo a não estimular o desmatamento ilegal. Fazem parte mais de 30 cidades, entre elas grandes capitais como São Paulo, Belo Horizonte, Fortaleza e Porto Alegre.