Ecologia e economia se encontram no Schumacher College

Rodrigo Martins

03 Maio 2010 | 02h44

Schumacher 017

Imagine um centro de estudos dedicado às ciências holísticas e sustentabilidade. Onde alunos de todas as partes do mundo são bem-vindos e uma vez matriculados, tomam parte da rotina da escola, o que inclui ajudar na cozinha, na limpeza e na jardinagem. Onde as aulas não seguem necessariamente o formato professor-fala-aluno-escuta e podem ter formatos dinâmicos: no meio da natureza ou até mesmo no bar.

Esse lugar existe, e atende pelo nome de Schumacher College. Fica em um edificio que data do século XII na pequena cidade de Totnes, no sul da Inglaterra, distante três horas de trem de Londres. Fundado pelo indiano Satish Kumar, o Schumacher vem atraindo alunos de todos os cantos do mundo pela sua proposta atual e ao mesmo tempo com tempero bem alternativo.

Os grandes temas da atualidade são discutidos com a pegada da economia ecológica, escola de pensamento que estuda as relações entre os fundamentos econômicos e os limites dos ecossistemas. O próprio nome da escola é uma homenagem ao economista alemão Ernst Friedrich Schumacher, ou simplesmente E.F. Schumacher, autor do livro Small is Beautiful – no Brasil, traduzido como O Negócio é Ser Pequeno – uma das bíblias da corrrente da economia ecológica. Nomes conhecidos como James Lovelock e Fritjof Capra são professores visitantes.


No Schumacher College, é possível fazer cursos rápidos (que podem durar de um final de semana a quatro semanas) ou um mestrado em Ciências Holísticas. Em janeiro de 2008, desembarquei lá para fazer um curso cujo tema era: A Terra sobreviverá ao Capitalismo?
Na turma, haviam colegas brasileiros, europeus, japoneses, israelenses, americanos, de todas as faixas etárias e profissões.

A experiência no Schumacher ampliou minha visão sobre sustentabilidade. Aprendi mais sobre corrente da economia ecológica, assunto que já foi tema de matérias que fiz para o Estadão. Entre elas, a teoria de que é preciso frear o crescimento para dar um respiro às espécies do planeta. Polêmico? Vocês não viram as discussões que surgiam nas aulas. Felizmente, todas terminavam bem, invariavelmente no pub da escola – afinal, estávamos em solo britânico. É bom frisar: a cerveja servida era orgânica, de excelente qualidade.

A preocupação com a diminuição da pegada ecológica da instituição permeia cada detalhe do dia do dia-a-dia. A comida é vegetariana e dá preferência a produtos cultivados na região, uma forma de estimular a economia local. Os resíduos são cuidadosamente separados: o orgânico é compostado dentro da própria escola, e o inorgânico segue para reciclagem.

E, sim, ao final do curso, saí de lá com a certeza de que a Terra sobreviverá ao capitalismo. Se a gente quiser que seja assim.

Quem quiser mais informações pode visitar o site da escola: www.schumachercollege.org.uk O próximo curso é Liderança em tempos de caos – Explorando a nova e a antiga sabedoria, e custa £ 975.