Brasil se oferece para sediar Conferência do Clima em 2019

Brasil se oferece para sediar Conferência do Clima em 2019

Pelo sistema de rotação estabelecido pela Convenção do Clima da ONU, a cada ano a conferência ocorre em um continente diferente. Daqui a dois anos o evento tem de ser realizado na América Latina

Giovana Girardi

15 Novembro 2017 | 12h13

Sarney, em evento na terça sobre Amazônia. Crédito: Divulgação MMA

O ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho, anunciou há pouco, na Conferência do Clima da ONU, que é realizada em Bonn (Alemanha), que o Brasil está se candidatando para sediar a COP 25, em 2019. A do ano que vem será em Katowice, na Polônia.

O anúncio foi feito via twitter. “O governo brasileiro está disponibilizando o Brasil para sediar a COP 25”, declarou sucintamente o ministro.

Ao Estado, Sarney Filho disse depois do anúncio que havia recebido uma ligação do ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, dando o aval de que poderia fazer a candidatura, e que já tinha comunicado à secretária-executiva da UNFCCC, Patrícia Espinosa, sobre a oferta. Afirmou, porém, que isso ainda é um processo e que ainda não foi pensada qual poderia ser a cidade a receber a conferência.

Pelo sistema de rotação das conferências estabelecido pela Convenção do Clima da ONU, a cada ano ela deve ocorrer em um continente diferente. No ano passado foi na África (Marrakesh). Neste ano é na Alemanha, mas a presidência é de Fiji, pequena ilha do Pacífico. No ano que vem volta para a Europa, com a Polônia na presidência, e em 2019 deverá ser na América Latina.

A última vez que o continente recebeu uma COP foi em 2014, em Lima (Peru). O Brasil nunca recebeu a cúpula, mas foi a sede de duas conferências de desenvolvimento sustentável da ONU, a Rio 92 e a Rio+20.

A Argentina também se candidatou para ser a sede da COP de 2019. Eles já receberam a conferência duas outras vezes, em 2004 e 1998.