Até as belas cerejeiras são alvo do clima mais quente

Até as belas cerejeiras são alvo do clima mais quente

Giovana Girardi

26 Março 2014 | 07h10

Cerejeira no Japão é um assunto sério. Tanto que existem até guardiões das árvores, que zelam pela sua segurança, espalhados pelo país. Nesta quarta, 26, em Yokohama, as árvores, como que ensaiadas, floresceram todas de uma só vez. O evento já era esperado – parece que por serem clones umas das outras, elas não só brotam ao mesmo tempo como os japoneses conseguem calcular quando isso vai acontecer. Mas nem por isso a população fica menos encantada.

Ao mesmo tempo em que eu saquei o celular assim que vi a primeira árvore, numa sequência de mais de meia dúzia, vários outros japoneses que andavam por perto também pararam para fotografar e admirar a árvore. Um senhor pegou uma pétala do chão e veio me falar: “beautiful, wonderful”. “Linda, maravilhosa”, me disse num inglês que me chamou a atenção.

Apesar de sempre muito solícitos, encontrei poucos japoneses nesses quase três dias de Japão que falam inglês. Além disso, tive a impressão que eles são muito tímidos. Se aquele senhor resolveu falar comigo, achei que era porque a cerejeira é mesmo importante pra ele.


A árvore, um símbolo japonês, pode ser fortemente impactada pelas mudanças climáticas. A época da florada ao longo de todo o país já adiantou 4,2 dias nos últimos 52 anos. Antigamente as flores só surgiam em abril, subindo do sul para o norte do país. Modelagens climáticas estimam que no leste e no norte do Japão, ao longo do século, essa antecipação pode chegar a 14,5 dias se a elevação da temperatura ultrapassar os 3 ?C. Esse aumento é o projetado no pior cenário de emissões, em que elas continuariam subindo no mesmo ritmo que hoje.

Veja galeria de fotos das árvores:

 

Confira também:

Infográfico: impactos das mudanças climáticas por regiões da Terra

Linha do tempo: Homem é o principal responsável por aquecer o Planeta

Acompanhe toda a cobertura do IPCC feita pelo Estado direto de Yokohama, no Japão

Painel alivia previsões para Amazônia

Rádio Estadão: Reunião do IPCC começa no Japão

‘Em 2050, mais 50 milhões vão passar fome por causa das mudanças climáticas’