Bom para você, bom para o planeta

Bom para você, bom para o planeta

Alessandra Luglio

20 Julho 2016 | 16h38

platinha

O título desse post não é uma frase minha, mas adotei para guiar praticamente tudo que faço, seja na minha vida pessoal, no meu trabalho, na minha alimentação ou no meu lazer. Essa frase – BOM PARA VOCÊ, BOM PARA O PLANETA – é o slogam do BCFN, que é o Barilla Center for Foor and Nutrition, uma fundação multidisciplinar e independente que analisa os fatores econômicos, científicos, sociais e ambientais sobre alimentação da qual tenho grande orgulho de ser embaixadora no Brasil.

Um dos maiores resultados do trabalho dessa fundação e seu principal símbolo são as pirâmides invertidas. As pirâmides mostram de forma extremamente clara e didática o impacto ambiental de nossas escolhas alimentares e foi elaborada com base na análise das pegadas ambientais de solo, água e ar de cada um dos alimentos. Para saber mais sobre pegadas ambientais, acesse aqui o post que escrevi sobre esse assunto.

piramide 4


 

A figura acima mostra duas pirâmides, a da esquerda simboliza a pirâmide nutricional na sua versão mais atual, elaborada a partir do cruzamento das análises dos mais recentes guias alimentares do mundo, além de levar em consideração questões de saúde pública que desafiam a saúde humana nos dias atuais. Os alimentos que aparecem na base são os que, em quantidade, devem preencher a maior parte do nosso cardápio diário para que tenhamos uma alimentação saudável, os alimentos que vem acima sucessivamente até chegar ao topo da pirâmide são os que devem ser consumidos em menor quantidade proporcionalmente. Já a pirâmide invertida, a da direita, simboliza os impactos ambientais de cada um dos alimentos. Quando colocamos essas pirâmides lado a lado podemos concluir que os alimentos que devem ser consumidos em maior quantidade são os alimentos que menos impactam no nosso planeta. E quais são esses alimentos? Frutas, verduras e vegetais, seguidos por farináceos, alguns lácteos, leguminosas e alimentos fontes de gorduras vegetais como os óleos de sementes, de oliva e castanhas. Lá em cima, nas duas pirâmides, encontram-se as fontes de proteínas animais, com maior foco nas carnes vermelhas que recomenda-se serem consumidas em menor quantidade haja visto o seu teor de gorduras saturadas e alto impacto ambiental para a sua produção.

Não há forma mais clara de entender que, ao buscarmos uma alimentação mais saudável, estamos também pensando na saúde do nosso planeta. Os alimentos de fontes vegetais devem e podem ser a base de uma alimentação saudável. Existem muitos mitos e “achismos” em torno da alimentação vegetariana, mas cada vez mais as pessoas e a ciência estão tomando consciência de que essa é uma forma eficiente, saudável, limpa e consciente de se alimentar, ou seja, bom para você e bom para o planeta!